Padre Victor
Anjo Tutelar de Três Pontas, MG

Acompanhe a Novena

Clique Aqui!

Artigos › 29/06/2018

A unidade da Igreja

Os cristãos confessam a Igreja una, santa, católica e apostólica. Há desde as origens, a compreensão de que as Igrejas locais – ou dioceses – são, em sua pluralidade, manifestações e concretizações em lugares distintos da única Igreja de Cristo.

Com a difusão da fé cristã foram se estabelecendo comunidades em contextos geográficos, culturais e históricos muito distintos. Esses fatores foram forjando a vida das distintas comunidades, sua pregação, as formas de vida comunitária e cultual, sua identidade doutrinal e confessional.

Ao longo dos séculos, a unidade da Igreja foi se tornando um grande desafio. A comunidade de Roma, ou Igreja de Roma, com seu Bispo, foi se consolidando como referência e garante da unidade. Não faltaram, contudo, cismas, divisões e rupturas motivadas por razões políticas e doutrinais, disciplinares e interesses particulares.

Apesar das divisões acorridas, permanece a convicção de que em Roma se conservam os túmulos dos apóstolos Pedro e Paulo. Pedro fundou a Igreja primitiva sobre a herança de Israel. Paulo, mestre e doutor das nações, anunciou a todos os povos que encontrou o Evangelho da Salvação. Por diferentes meios, os dois congregaram a única família de Cristo.

Os Apóstolos, tendo Pedro como cabeça, são os fundamentos da Igreja de Cristo. Pedro se distingue no seio da comunidade nascente como aquele que tem a primazia. Isso se deve ao fato de ter confessado publicamente que Jesus é o Messias e de condição divina. Tal confissão é o alicerce sobre o qual a Igreja, comunidade de comunidades, está constituída. Por isso, é atribuído a Pedro o poder das chaves (Mt 18,18; 16,19). Sua missão após os eventos da paixão, morte e ressurreição de Jesus, será “confirmar os irmãos na fé” (Lc 22,32), por meio do exercício do ministério pastoral (Jo 21,15-19).

Desde o período pós-apostólico, constatam-se elementos que ligam o apostolado de Pedro, de forma particular, à comunidade de Roma. Por isso, o relacionamento da comunidade de Roma com as demais comunidades que vão se constituindo no tempo é semelhante ao de Pedro com os demais apóstolos.

Na Igreja de Roma está a cátedra de Pedro. Desse modo ela se tornou a garante da tradição apostólica e da unidade disciplinar da Igreja, embora não seja superior às outras comunidades. Na comunhão das comunidades unidas pelo vínculo da fé, a Igreja de Roma possui uma dignidade particular e uma função própria de unidade, da qual não deve esquivar-se e nem deve ser ignorada.

A fé que une todos os batizados ensina que é Deus quem guia e faz crescer a Igreja, isto é, a comunidade de fé. O Evangelho é a força e a vida da Igreja. É ele que a purifica e renova, produzindo frutos onde os fiéis o escutam e acolhem.

A comunidade de fé que possui como fundamento a fé dos apóstolos Pedro e Paulo não é uma associação para fins religiosos ou humanitários. Ela é um corpo vivo, uma comunhão de irmãos e irmãs unidos pela fé no Crucificado-Ressuscitado e seu Evangelho.

Um sinal do cultivo da unidade é a peregrinação que os Bispos, enquanto sucessores dos apóstolos, a cada cinco anos, são exortados a realizar aos túmulos dos apóstolos Pedro e Paulo, além do encontro com o sucessor de Pedro, o Bispo de Roma. Essa peregrinação tem o objetivo de aumentar o seu sentido de corresponsabilidade como sucessores dos Apóstolos por toda a Igreja e fortalecer a comunhão com o sucessor de Pedro.

Por Dom Jaime Spengler – Arcebispo de Porto Alegre

Imprimir