Associação Padre Victor

A voz do pastor: A devoção à Santíssima Virgem Maria

 A devoção à Santíssima Virgem Maria

            Na oportunidade do mês Mariano, é importante sublinhar alguns aspectos da devoção à Virgem Maria. A intercessão e o culto aos santos já são uma experiência vivida e reconhecida pelo povo de Deus; e, neste sentido, se destaca a devoção à Maria Santíssima. Na comunidade dos santos,  Maria ocupa um lugar único, pois foi chamada a ser a Mãe dos homens. Essa é a razão pela qual o culto a Maria se difere da devoção aos demais santos.

            Portanto, a expressão saudável e equilibrada do culto e veneração a Maria, na piedade cristã, nunca deve ser desfocada da figura de seu filho Jesus Cristo; essa é a dimensão cristocêntrica dessa piedade. Isso quer dizer que, quanto mais o cristão se configura à imagem de Cristo, mais ele deverá sentir-se filho de Maria e, assim, viver uma vida que não contrarie a vontade de seu Filho, pois Ele é o fim último da verdadeira devoção mariana.

            A esse propósito, o Concílio Vaticano II esclareceu a missão de Maria no mistério de Cristo e da Igreja e os deveres dos fiéis para com ela. Ela “ocupa na Igreja o lugar mais alto depois de Cristo e o mais perto de nós” (LG 54). É importante destacar que a devoção ou o culto à Maria Santíssima não diminui a mediação única de Cristo; pelo contrário, a incrementa e potencializa; não impele, mas favorece a união dos fiéis com Cristo.

            Ainda no espírito do Concílio, de um lado, os fiéis, filhos e filhas da Igreja, promovam generosamente o culto à Virgem Maria, sobretudo o litúrgico. De outro, o mesmo “exorta aos teólogos e os pregadores da Palavra divina a que, na consideração da singular dignidade da Mãe de Deus, se abstenham com diligência tanto de todo falso exagero quanto da demasiada estreiteza de espírito. Ademais, saibam os fiéis que a verdadeira devoção não consiste num estéril e transitório afeto, nem numa certa vã credulidade, mas procede da fé verdadeira pela qual somos levados a reconhecer a excelência da Mãe de Deus, excitados a um amor filial para com nossa Mãe e à imitação das suas virtudes” (LG 67).

            Neste mês, diante da pandemia que afeta o mundo inteiro, fomos agraciados pela carta do Papa Francisco, motivando os fiéis a descobrirem a beleza da oração do terço em família e, desse modo, intensificando e renovando nossa devoção à Virgem Maria. Maria Santíssima sempre volta os seus olhos misericordiosos para os seus filhos, sobretudo nos momentos mais delicados da nossa história. “Ó Maria, consoladora dos aflitos, abraçai todos os vossos filhos atribulados e alcançai-nos a graça de que Deus intervenha com sua mão onipotente para nos libertar desta terrível pandemia”. Confiemo-nos à Mãe de Deus, na esperança de um novo amanhã e de um mundo melhor.

  1. Pedro Cunha Cruz

Bispo Diocesano da Campanha – MG

Rádio - Associação Padre Victor
X