Associação Padre Victor

Notícias › 21/01/2020

Davos: Papa recorda a “responsabilidade moral” de cuidar da casa comum

pope-francis-707395-640

Imagem de Reynaldo Amadeu Dal Lin Junior Juba por Pixabay

Manter alta a responsabilidade moral em buscar o desenvolvimento integral desta e das futuras gerações: estes são os votos que o Papa Francisco fez aos participantes que, a partir de hoje, se reúnem em Davos, na Suíça, para o Fórum Econômico Mundial.

A mensagem é endereçada ao diretor-executivo da instituição, Klaus Schwab, ao qual o Pontífice agradece o convite para participar desta 50ª edição do Fórum. A Santa Sé será representada pelo prefeito do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, Card. Peter Turkson.

Colonização ideológica

Nestes anos de trabalho, escreve o Papa, o Fórum procurou meios para reforçar a vontade política e a mútua colaboração para vencer o isolacionismo, o individualismo e a colonização ideológica, que ainda caracteriza o debate contemporâneo.

Também o tema principal deste ano – a sustentabilidade – indica a necessidade de um maior empenho em todos os níveis para enfrentar as questões sobre as quais a humanidade se confronta.

Nas últimas cinco décadas, analisa o Pontífice, muitas políticas promoveram benefícios à humanidade; outras, tiveram efeitos negativos e criaram lacunas importantes no desenvolvimento.

Única família humana

A consideração que jamais se deve perder de vista, recorda, é que “somos todos membros de uma única família humana”, portanto, temos o dever moral de cuidar uns dos outros. No centro da política pública, deve estar a pessoa, e não a busca pelo poder ou pelo lucro.

Este dever moral é imprescindível na busca de soluções aos desafios atuais, que devem ir além de visões utilitaristas a curto prazo.

Ver os outros para alcançar um fim, escreve o Papa, significa promover a injustiça; espezinhar a dignidade de outra pessoa equivale a diminuir o seu valor.

Renovar a ética

Francisco cita a sua Carta Encíclica Laudato si’, em que adverte para a importância de uma “ecologia integral”, que leve em consideração as implicações da complexidade e da interconexão da casa comum.

A ecologia integral exige uma dimensão ética renovada, que envolva também o setor econômico.

O Papa então faz os seus votos de que os participantes deste e dos Fóruns futuros mantenham alta a responsabilidade moral que cada um de nós tem em buscar o desenvolvimento integral de todos os irmãos e irmãs, inclusive os das futuras gerações.

“Que as deliberações levem a um crescimento da solidariedade, especialmente para com os mais necessitados, que vivem a injustiça social e econômica e cuja própria existência está até mesmo ameaçada”, conclui Francisco, invocando a benção do “Deus da sabedoria”.

O Fórum Econômico Mundial reúne cerca de três mil participantes de 120 países, entre os quais 53 chefes de estado e de governo.

Até o dia 24, 350 palestras e workshops debaterão sobretudo o desafio da sustentabilidade e da coesão social.

Via Vatican News

Rádio - Associação Padre Victor
X