Associação Padre Victor

Notícias › 07/04/2014

De Buenos Aires à Casa Santa Marta: o Vaticano segundo Francisco

topic“Aqui tem espaço para trezentas pessoas!”, soltou o recém-eleito Francisco enquanto o camerlengo Tarcisio Bertone lhe mostrava o apartamento pontifício no Palácio Apostólico. Esta frase já era uma síntese do seu programa. Ao escolher ficar morando no quarto 201 da Casa Santa Marta, onde tinha se hospedado durante o conclave, Francisco simbolizou a ruptura com o modelo de papado a que estávamos acostumados.

Massimo Franco, colunista do jornal italiano Corriere della Sera e escritor, parte deste episódio para abordar as mudanças que o Vaticano não quer rotular como “revolução”, mas que, vistas de fora, parecem exatamente isso. A Igreja Católica tem estado no centro dos interesses de Massimo Franco: em seus dois últimos livros, ele tinha tratado daquilo que chamava de crise na Igreja; agora, no texto de “Il Vaticano secondo Francesco” [O Vaticano segundo Francisco, Mondadori, 2014], ele se entrega com paixão e curiosidade analítica ao desafio de destrinchar os muitos aspectos de um pontificado que enxerga como de ruptura com o passado.

Aleteia foi entrevistá-lo.

Qual é a grande novidade de Francisco?

Franco: Essa capacidade de surpreender de modo “revolucionário” começa com a renúncia de Bento XVI. Sem aquele gesto chocante, que marcou época, não se explicaria o que aconteceu depois. É verdade que hoje a Igreja comanda um movimento de renovação da liderança no Ocidente todo, mas ela consegue isto porque sofreu, viveu e reagiu ao trauma da renúncia de um papa depois de 700 anos. Portanto, há um elemento de grande ruptura, que explica a seguinte grande “ruptura” protagonizada por Francisco; sem ela, o que aconteceu depois não teria uma raiz justificável.

No gesto de Bento XVI, então, já existia o germe dessa mudança?

Franco: Eu tenho a impressão de que foi um gesto, alguns dizem de “grande coragem”, que eu diria de “coragem desesperada” ou “desespero corajoso”, porque não é um gesto em que se possa reconhecer a capacidade de prever o que iria acontecer depois. Foi simplesmente um “basta” diante da impossibilidade, ou talvez até da incapacidade de guiar a Igreja num momento em que, em vez de ir para frente, ela era sugada por conflitos internos feíssimos, com um risco muito sério de declínio.

O que causou a decisão, tão simples e tão marcante, de ficar morando na Casa Santa Marta?

Franco: Na verdade, simbolicamente, Francisco já tinha escolhido a Casa Santa Marta quando ainda estava em Buenos Aires. Eu fui a Buenos Aires para estudar as raízes dele e vi que lá também ele tinha renunciado à residência arcebispal e se mudado para um apartamento no prédio ao lado da catedral. Então já existia, lá, uma “primeira Santa Marta”. O interessante é que, pesquisando no Arquivo Secreto do Vaticano, eu descobri que a Casa Santa Marta foi um hospital para doentes de cólera, porque, no final do século XIX, Roma temia uma epidemia de cólera. Não aconteceu essa epidemia, mas Santa Marta virou desde então o símbolo de um abrigo para as pessoas que sofriam. E o papa diz que a Igreja é uma espécie de “hospital de campanha depois de uma batalha”; nenhum simbolismo é mais eficaz do que ficar lá. Por que este simbolismo é possível? Porque nós temos uma Igreja, um Vaticano, que sai machucado de uma batalha que vinha perdendo. A Igreja perdeu o modelo europeu italiano de papado. De certa forma, este é o modelo “sul-americano”, que conquista o Vaticano diante da falência do modelo anterior. Uma comparação: o Fundo Monetário Internacional financia os países que estão perto do colapso econômico. O Vaticano esteve à beira do colapso moral. O último conclave foi uma espécie de “Fundo Moral Internacional”, que socorreu e tentou salvar o Vaticano. Estamos vendo, de alguma forma, uma América Latina, que historicamente foi uma terra de missão, se tornando agora missionária e retornando à Europa para evangelizá-la, porque a Europa sozinha não consegue.

No seu livro, você fala muito das relações com Obama e com Putin. Como você vê o recente encontro do papa Francisco com o presidente dos EUA?

Franco: Eu acredito que, no encontro entre o papa e Obama, o que foi visto foi especialmente a ansiedade de Obama por agradar ao papa, muito mais do que o contrário. Isso decorre do fato de que temos um Francisco mítico, que está no auge, enquanto o mito de Obama está manchado. Obama tinha muito mais necessidade deste encontro. Em segundo lugar, eu fiquei um pouco surpreso vendo como o Vaticano ressaltou os elementos que o distanciam de Obama: isso aconteceu porque o Vaticano é afetado pelas relações entre os democratas norte-americanos e a Conferência de Bispos Católicos dos Estados Unidos. Há fortes tensões entre eles. A Igreja católica americana desconfia do Partido Democrata e também de Obama, por causa da agenda interna deles em questões como aborto, casamento gay e eutanásia. No tocante à Síria, nós vimos um papa que escolheu Putin simplesmente porque o Ocidente nem está presente no caso da Síria. E como o papa tem que proteger as minorias cristãs, a única realidade, armada e poderosa, que defende as minorias cristãs na Síria, tanto ortodoxas quanto católicas, é Putin. O papa fez uma escolha de certa forma obrigatória.

E quando Putin ocupou a Crimeia?

Franco: Vimos ali uma atitude muito mais cautelosa do papa. Por quê? Porque o papa enfrenta o problema de evitar perseguições contra os católicos por parte dos ortodoxos da área pró-Rússia. Além disso, o papa não quer estragar a relação com Putin no Oriente Médio. Eu acho que também existe uma necessidade mais geral: o Vaticano não quer o ressurgimento de uma atmosfera de guerra fria, porque naquele ambiente ele não consegue exercer direito o seu “soft power”, ou seja, o seu poder de persuasão moral. Além disso, em algumas partes do mundo, islâmicas, no caso, o Vaticano tem sofrido uma identificação com um Ocidente que, infelizmente, nos últimos anos, só tem exportado guerras.

Quem é o cardeal Pietro Parolin?

Franco: Parolin é o símbolo do retorno da diplomacia à Secretaria de Estado do Vaticano, mas também é o símbolo de uma reorganização do papel político do Secretário de Estado do Vaticano, que cresceu por responsabilidade de Tarcisio Bertone, especialmente com a centralização do poder, que coincidiu com o mandato dele na Secretaria de Estado. Parolin é um grande profissional, alguém que conhece muito bem todas as questões internacionais e que, portanto, recoloca no seu âmbito natural, que seria o do cardeal Casaroli, uma Secretaria de Estado que o conclave e as conferências episcopais do mundo todo consideravam excessivamente poderosa, e, mais do que isto, que ultrapassava excessivamente as suas tarefas históricas.

Como você vê o trabalho do C8, a comissão criada por Francisco para reformar o Vaticano?

Franco: O C8 é o símbolo de uma política externa vaticana que não está mais sendo confiada aos italianos, mas sim a expoentes do episcopado de todo o mundo. É fruto deste conclave anti-italiano. Significa uma partilha das escolhas, porque, depois, as escolhas permanecem nas mãos exclusivas do papa, e também significa a necessidade de mais colegialidade na elaboração de estratégias. Mas eu acho que isso tem que ser interpretado de um ponto de vista anti-Cúria e anti-italiano. Entre as forças conservadoras e o C8 eu vejo um choque de fato. No fim, que o papa seja sempre bem informado sobre as coisas que acontecem e ajudado a fazer as escolhas certas, eu tenho minhas dúvidas. Tenho a sensação de que o papa não tem um círculo estreito de colaboradores com um conhecimento real e profundo da Cúria Romana, de Roma e da Itália. Por isso, o papa corre o perigo de ser desviado das coisas, algumas vezes.

Por Emanuele D’Onofrio via Aleteia

X