Associação Padre Victor

Notícias › 19/05/2014

Visita do Papa à Terra Santa traz novas esperanças para o ecumenismo

ppkurtkoch171013Faltam poucos dias para a viagem do Papa Francisco à Terra Santa, programada para os dias 24 a 26 deste mês. Trata-se de uma peregrinação repleta de significado, como nos explica o presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, Cardeal Kurt Koch, entrevistado pela Rádio Vaticano:

Cardeal Kurt Koch:– “O ponto de partida para esta visita foi a comemoração do primeiro encontro entre o Patriarca Atenágoras e o Papa Paulo VI, em janeiro de 50 anos atrás, em Jerusalém: foi o primeiro encontro após muito, muito tempo, e foi o início do diálogo. E com o encontro entre os atuais representantes da Igreja – o Papa Francisco e o Patriarca Bartolomeu I – espero que as boas relações que experimentamos nestes 50 anos possam ser ulteriormente aprofundadas para dar outros passos no futuro.”

RV: Podemos esperar algum passo concreto, ou se trata de algo que se dá, sobretudo, num nível “simbólico”?

Cardeal Kurt Koch:– “Creio que se trate substancialmente de um nível simbólico, mas no campo do ecumenismo o nível simbólico é muito importante! Fazemos uma distinção entre o diálogo do amor e o diálogo da verdade, e o diálogo da verdade sobre questões teológicas não é muito simples; mas ele não funciona sem o diálogo do amor e nesse sentido, esse encontro representa um evento muito importante!”

RV: Do ponto de vista ecumênico, o que o Papa leva à Terra Santa?

Cardeal Kurt Koch:- “Sobretudo, o Papa leva a si mesmo e sua mensagem, e essa é uma mensagem de paz e de reconciliação e de fraternidade nas relações ecumênicas.”

RV: O senhor é responsável pelo dicastério vaticano que se ocupa da promoção da unidade dos cristãos, mas é também de sua competência o diálogo com os judeus: quais são, neste campo, as esperanças colocadas nesta visita?

Cardeal Kurt Koch:- “Os encontros com os judeus e com os representantes de Israel se dão em dois níveis. Por um lado, os encontros com os representantes do Estado – o presidente, o primeiro-ministro e as autoridades do Estado – que têm a finalidade de consolidar e aprofundar as relações entre Vaticano e Israel; por outro lado, está previsto um encontro com o Grão-Rabino de Jerusalém: esse é um dos aspectos do diálogo do qual se ocupa a nossa Comissão para as relações religiosas com o Judaísmo. Seguramente também isso contribuirá para o aprofundamento das relações com o Grão-Rabinato de Jerusalém.”

RV: A visita do Papa durará somente três dias. Portanto, um tempo breve, mas muito intenso…

Cardeal Kurt Koch:– “O tempo é relativamente breve, três dias, mas na realidade tudo é muito importante e se deve ressaltar isso… Haverá Três dimensões: ecumênica, no encontro com o Patriarca Bartolomeu I e com a celebração ecumênica, durante a qual o Papa encontrará também os outros patriarcas: o greco-ortodoxo de Jerusalém e o Patriarca da Igreja Apostólica Armênia; depois se dará espaço ao Judaísmo com as visitas oficiais; e além disso, naturalmente, a visita ao Muro das Lamentações, ao Yad Vashem, a visita ao túmulo de Herzl… são todos encontros importantes. Por fim, se terá também o encontro com o Grão-Mufti de Jerusalém, e assim se acrescenta a dimensão inter-religiosa, sobretudo com o Islã.”

Por Rádio Vaticano

X